quinta-feira, 7 de fevereiro de 2008

Sábado, Foz do Douro


«Junto do mar, que erguia gravemente
A trágica voz rouca, enquanto o vento
Passava como o voo dum pensamento
Que busca e hesita, inquieto e intermitente,
L
Junto do mar sentei-me tristemente,
Olhando o céu pesado e nevoento,
E interroguei, cismando, esse lamento
Que saía das coisas, vagamente(...)»
L
Antero de Quental
Poesia Completa, 1842-1891

4 comentários:

Cpt Jack Sparrow disse...

Se foste tu que fotografaste, foi um momento muito bem conseguido.
O mar faz-nos pensar e por vezes quase por magia ilumina as nossas ideias.

Pearl disse...

Não estou certa que faça pensar. Talvez, isso sim, ajude a embalar o pensamento.

joana disse...

AMO a Foz do Porto!! Se fosse rica comprava um daqueles palacetes e ia para lá viver... só para poder ver o pôr-do-sol fantástico que essas águas reflectem!!! Quando morava no Porto ficava horas a contemplar o rio e o mar...
"Quem vem e atravessa o rio..."

Amazing photograph(er)!! :D

Pearl disse...

Compreendo-te, Joana. O rio/mar que envolvem a cidade dão-lhe um encanto ainda maior.